quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

SUCO DA LARANJA


Copo na mão, aperto na alma !
Mãos trêmulas que sangram
A miséria demente da solidão
Onde habita nosso medo ...

Copo na mão !
Veia que dilata na perícia insana.
Gole doce, nosso amargor !

Veia que dilata,
Bebida consumida
Numa profunda lascívia
Que masturba a mente.

Bebida engolida, destilada,
Na veia que dilata
Prostituindo os pensamentos ...

Copo na mão.

(Sei que os limões estão maduros,
mas quero beber o suco da laranja.)

Nenhum comentário:


O anoitecer em frente de minha casa...